Compartilhe







Publicidade

Análise da paragrafias do surdo na nomeação de sinais por escrita livre

(Alessandra Giacomet)




Alessandra Giacomet. Análise da paragrafias do surdo na nomeação de sinais por escrita livre: teste de nomeação de sinais por escrita de palavras, versões 1.2 e 2.2 com 5.086 estudante surdos de 1ª a 3ª série de 14 estados de brasileiros.. 01/12/2007

1v. 217p. Mestrado. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - PSICOLOGIA (PSICOLOGIA EXPERIMENTAL)
Orientador(es): Fernando Cesar Capovilla
Biblioteca Depositaria: Biblioteca do Instituto de Psicologia da USP

Email do autor:




Palavras - chave:
Paragrafia, Surdo, Escrita, Língua de Sinais Brasileira


Área(s) do conhecimento:
PSICOLOGIA EXPERIMENTAL


Banca examinadora:
Elizeu Coutinho de Macedo

Fernando Cesar Capovilla

Marcelo Feitosa Duduchi


Linha(s) de pesquisa:
Processos Cognitivos, Afetivos e Sociais no Ser Humano Percepção. Estudos da Experiência Intersubjetiva. Interação verbal e construção de conhecimento. Neuropsicolinguística cognitiva experimental. Processos envolvidos no desenvolvimento da linguagem e seus distúrbios.


Agência(s) financiadora(s) do discente ou autor tese/dissertação:
CAPES - DS


Idioma(s):
Português


Dependência administrativa
Estadual


Resumo tese/dissertação:
O Teste de Nomeação de Sinais por Escrita (TNS–Escrita) é parte de uma bateria de 11 testes de desenvolvimento da linguagem de sinais e de competência de leitura e escrita, que foi desenvolvida pela equipe coordenada pelo Dr. Fernando Capovilla no Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, especialmente para a população escolar surda brasileira, e validada e normatizada com uma amostra de 5.365 escolares surdos. O TNS–Escrita avalia o desenvolvimento conjunto de compreensão de sinais da Libras e de escrita de palavras em Português, e permite analisar o envolvimento de processos quirêmicos, ortográficos e semânticos envolvidos na escrita de palavras para denominar sinais da Libras. Este estudo apresenta dados de duas versões do teste de nomeação de sinais por escrita livre, a versão reordenada 1.2 (TNS1.2-Escrita) aplicada a 5.080 alunos surdos e a versão alternativa também reordenada 2.2 (TNS2.2-Escrita) aplicada a 5.086 alunos surdos, respectivamente de 1a. série do Ensino Fundamental a 1a. série do Ensino Superior. Os dados preliminares dizem respeito à normatização dos dois testes com a amostra avaliada, bem como à análise da distribuição dos erros de escrita (paragrafias) produzidos durante a nomeação dos 36 sinais de cada versão do teste por meio de escrita livre. Ou seja, ao ter de nomear um determinado sinal, o estudante surdo acaba escrevendo uma palavra (ou neologismo semelhante a uma palavra) que difere da palavra alvo que corresponde àquele sinal em Português. O erro de escrita tem natureza quirêmica quando a palavra escrita difere da palavra alvo mas os sinais correspondentes à palavra escrita e à palavra alvo mantêm semelhança quirêmica, i.e., quando eles compartilham certa proporção de elementos quirêmicos formacionais em comum. O erro de escrita, ou paragrafia, tem natureza semântica quando a palavra escrita difere da palavra alvo mas se relaciona com ela conceitualmente, por relações como de oposição conceitual (e.g., escrever a palavra subir para designar o sinal descer; ou escrever maior para menor), parentesco conceitual (e.g., escrever navio para designar o sinal avião), e assim por diante. O erro de escrita tem natureza ortográfica quando a palavra escrita é, em verdade, um neologismo (pseudopalavra) que se assemelha à palavra alvo que deveria ser escrita (i.e., com semelhança no aspecto geral), mas que difere dela, seja no número de letras em comum, ou mesmo na ordem dessas letras. O estudo analisou as paragrafias cometidas na nomeação dos sinais e as distribuiu em quatro categorias (paragrafia quirêmica, paragrafia ortográfica, paragrafia semântica, e paragrafia atípica), e computou a incidência relativa de cada paragrafia na nomeação de cada sinal das duas versões. Foram avaliados 5.086 estudantes surdos de 14 estados brasileiros (AC, AM, BA, CE, DF, ES, MA, MG, MS, PA, PR, RJ, RS, SP), com idade variando de 5 a 59 anos, e média de 17,7 anos (DP = 6,9). Foram 5.080 no TNS1.2-Escrita e 5.086 no TNS2.2-Escrita, com escolaridade média, em termos de número de anos no Ensino Fundamental, de 4,9 anos (DP = 2,8), isto é, quase 5a. série, com mínimo de 1 ano e máximo de 12 anos de escolaridade, ou seja, Ensino Superior. O estudo analisou o crescimento da habilidade de nomear sinais da Libras por meio da escrita livre de palavras por parte de alunos surdos do Ensino Fundamental e do Ensino Superior bem como a distribuição das paragrafias quirêmicas, ortográficas, semânticas e atípicas cometidas pelos surdos durante a nomeação escrita dos sinais. Análises de regressão do logaritmo da incidência da palavra escrita (durante a tarefa de nomeação de sinais alvo) sobre o grau de semelhança quirêmica entre sinais mediador e alvo (i.e., entre o sinal subjacente a cada palavra que foi escrita na tarefa de nomeação e o sinal alvo a ser nomeado na tarefa) revelaram correlação positiva significativa. Logo, na tarefa de nomeação escrita de sinais, a freqüência com que um determinado nome é escrito é tão maior quanto maior a semelhança entre o sinal subjacente (i.e., o sinal espontaneamente evocado que subjaz a esse nome espontaneamente escrito) e o sinal alvo a ser nomeado. Tal achado foi encontrado tanto no TNS1.2-Escrita quanto no TNS2.2-Escrita.



Veja mais artigos sobre Educacao de Surdos:



{* Google Analytcs *}